DÉBORA DENADAI EM PROSA E VERSO

FAZER POESIA É LAVAR A ALMA FAZENDO SANGRIA...

Textos


( imagem de Pedro Caminho)

SANGUE. DE BARATA?

     Sangue. Algumas pessoas parecem ignorar isso, mas todo mundo tem sangue. Alguns (quase arrisco a dizer, a maioria), é preciso confessar, parecem ter um tipo especial de sangue: de barata. Não sentem a dor que causam, não se incomodam quando enfiam a mão no peito do outro e arrancam-lhe o coração com as unhas, não vêem nada nas lágrimas senão a composição água e sal e não sabem que, com freqüência, elas têm um gosto amargo de fel, que leva muito tempo a ser retirado da boca. Não, eles não têm culpa. Nasceram assim ou aprenderam a ser desta forma pra tornar suas vidinhas mais light, mais cor-de-rosa. Ou, quem sabe, mecanismo de defesa, o sofrimento alheio não os afeta. 

     Mas, que todo mundo tem sangue, é incontestável. Informação relevante, na minha modesta opinião: os aparentemente fortes, no mais perfeito estilo “manda a porrada que eu seguro” têm ainda mais do que a maioria.E não é de barata, é vermelho e vivo mesmo. Talvez o represem em algum canto do coração bem escondido pra ficar mais fácil lidar sozinhos com suas fragilidades. Erro: a fragilidade está lá e eles sabem. Só não querem que saibam. Mecanismo de defesa também? Provavelmente. Seu sangue corre apenas pra dentro e se transforma em sorrisos elegantes diante das pancadas ou em atos de falsa invulnerabilidade disfarçados de generosidade. Suas lágrimas, embora com menos fel, são igualmente amargas e salgadas. 

     Aí você deve perguntar-me: então, onde a diferença? Os primeiros vivem uma mentira na qual acreditam e portanto, importante dizer, não vivem. Vegetam num mundo em que eles são normais porque maioria. Os segundos, caem e levantam, cambaleando muitas vezes, mas sabem quem são e sabem que não são adequados a este mundo onde os primeiros desfilam com ares de gente fina. Mas vivem. Ainda que a custa de sangue, suor e lágrimas. Mas sabem quem são. Esta, a diferença.


Débora Denadai
Enviado por Débora Denadai em 23/11/2006
Alterado em 23/11/2006
Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras